Percepção de melhora no país em relação ao ano anterior cai no NordesteCom mais de 4 mil vagas, concurso CAIXA 2024 abre inscriçõesFPM: municípios da Paraíba receberão, nesta quinta-feira (29), mais de R$ 106 milhõesSecretaria de Saúde vai realizar manutenção em aparelhos para retomar teste da orelhinha no ISEAProibição de usar banheiro de outro sexo nas escolas avança no SenadoEPIDEMIA: Paraíba registra terceira morte por dengue e chikungunhaLéa Toscano deixa PSDB“Manifestação em São Paulo foi a celebração da democracia e da liberdade”, senador Rogério MarinhoFederação Israelita registra aumento de 263% de denúncias de antissemitismo em escolas após ataques LulaMarço começa com mais uma edição do Tarifa Zero em Campina GrandeRede de Educação de Campina Grande inicia nesta quarta-feira aplicação do Sistema de Avaliação de AprendizagemCentro de Zoonoses amplia horário de atendimento para as consultas clínicas veterináriasPrefeitura de Campina Grande inaugura, nesta terça-feira, a nova Policlínica da Bela VistaNordeste: a ‘mina’ da energia solarLula III: Brasil registra 920 mil casos de dengue e 184 mortes, nos dois primeiros meses de 2024.Ato na Avenida Paulista, Bolsonaro reúne mais de um milhão de pessoas.Bolsonaro seria obrigado a comparecer em interrogatório? Veja o que dizem advogados criminalistasCasos de Covid-19 e mortes decorrentes da doença registram aumento no BrasilBNDES aprova R$ 88,5 milhões para expansão da internet de banda larga na PB e no RNPEC dá ao Congresso poder de sustar atos normativos do Judiciário

Entenda como funciona a guarda compartilhada durante férias escolares; advogada explica

Entenda como funciona a guarda compartilhada durante férias escolares; advogada explica

Legislação brasileira não detalha regra específica para esse caso. Advogada do Escritório Marcos Inácio detalha que é preciso pensar na convivência com os dois genitores.

Para a criançada, o mês de janeiro pode ser de pura diversão, afinal, é o primeiro período do ano de férias escolares. Para os pais que compartilham a guarda dos filhos, no entanto, é preciso estabelecer um diálogo mais concreto. Como fica a guarda compartilhada das crianças nas férias escolares? A advogada Larissa Raulino explica como funciona.

No Brasil, a guarda compartilhada é regulamentada pela Lei nº13.058/2014, que alterou o Código Civil. O objetivo é assegurar que ambos osgenitores participem ativamente na vida dos filhos, mesmo após a separação.

No entanto, em relaçãoao período de férias escolares, a advogada Larissa Raulino explica que não háuma regra específica na legislação brasileira sobre como a guarda compartilhadadeve ser exercida durante esse período. “O ideal é que haja um acordo ou umasentença determinando, para aquelas partes, para aquela família, como é que vaise dar a convivência da criança com os pais”, detalha. O mais indicado,portanto, é que seja conservada a convivência com ambos os genitores.

“Se os dois genitores moram na mesma cidade, e se a guardacompartilhada já é exercida de forma tranquila, o ideal é que se divida: quinzedias com o genitor, os outros quinze dias com outro genitor, ou semanasalternadas, mas que ambos os genitores tenham a oportunidade de conviver comessa criança no período igualitário e também que eles possam ter aresponsabilidade de estar com uma criança durante o dia inteiro”, ressalta aadvogada Larissa Raulino.

A legislação brasileira incentiva a flexibilidade e o diálogo entre os pais para tomarem decisões que estejam de acordo com o melhor interesse da criança.

É importante, no entanto, que haja participação ativa dos pais na vida dos filhos durante as férias escolares, mesmo com a guarda compartilhada. “Em caso de divórcio, quando o casal possui filhos menores, obrigatoriamente, há a necessidade de que esse divórcio seja judicializado. Então, tem que ter uma ação judicial. Nessa ação, deve ficar definido como vai ficar a convivência com a criança. E o ideal é que fique o mais detalhado possível”, enfatiza Larissa Raulino, do Escritório Marcos Inácio Advogados.

Se os pais não conseguirem chegar a um acordo, a questão pode ser levada a uma mediação familiar ou, em último caso, decidida pelo juiz, considerando sempre o melhor interesse da criança. A advogada Larissa Raulino ressalta que a qualquer momento esses pontos da sentença podem ser corrigidos através de uma ação judicial específica, considerando a realidade da criança naquele outro momento que não o momento do divórcio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.