Pesquisa 6 Sigma aponta vitória de Bolsonaro no primeiro e segundo turno.Prefeitura de Campina Grande entrega mais de 2 mil uniformes aos estudantes do projeto “Capoeira nas Escolas”Petrobras anuncia nova redução no preço do dieselIBGE estima safra recorde de 263,4 milhões de toneladas em 2022Sargento Neto solicita da Justiça que comandantes da PM antecipem as escalas de trabalho para o dia da eleição.Vereador Janduy diz que taxa abusiva da Cagepa tem provocado o fechamento de pequenos comércios.Justiça obriga candidato do PT excluir das redes sociais vídeos com discurso de ódio e ofensas ao presidente.Selo Empresa Amiga da Cultura é criado pela Prefeitura de Campina GrandeEncontro Nacional do Agro: Presidente da CNA diz que está em “nossas mãos” fazer um país melhorBrasil registra maior queda de preços em 42 anos, aponta IBGESTF forma maioria para salário de ministros chegar a R$ 46 milTRE-PB cassa registros e diplomas de candidatos a vereança de DiamanteTSE aprova com ressalvas contas de Ciro Gomes na campanha de 2018Jair Bolsonaro registra candidatura à reeleição no TSEPrefeitura de Campina Grande lança Programa “Olhar Campina” e faz entrega de óculos na manhã desta terça-feiraBolsonaro sanciona o Piso Nacional da EnfermagemPetrobras reduz preço de venda do diesel para as distribuidorasCâmara aprova projeto que acaba com “saidinha” de presos. PT, PCdoB, PSB e PSOL votaram contra.Campina Grande promove multivacinação em shopping, universidades, CRAS, escolas e crechesPrefeitura comemora criação de 1.589 vagas com carteira assinada, no Município, no mês de junho

Secretaria de Saúde divulga novo levantamento de infestação do Aedes aegypti em Campina Grande

Secretaria de Saúde divulga novo levantamento de infestação do Aedes aegypti em Campina Grande

O 3º Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes Aegypti de 2021 (LIRAa), divulgado pela Secretaria de Saúde de Campina Grande, apresentou crescimento na infestação do mosquito na cidade. O índice geral subiu de 3,0 (médio risco) para 4,9 (alto risco). Os bairros do Distrito Industrial, Presidente Médici e Santa Cruz foram os que chamaram mais atenção nos números, porque apresentaram um índice de 9%, o que significa dizer que 9% das residências vistoriadas tinham focos do mosquito. Em abril, o percentual nesses bairros era de apenas 4,4%.

Quase todos os bairros tiveram elevação nos índices e 47 deles estão com o percentual acima de 4, ou seja, considerado de alto risco para a proliferação das doenças provocadas pelo Aedes aegypti. Foram inspecionados 7.799 imóveis, onde o principal problema ainda é o depósito de chão, que são os tonéis, baldes e vasos, entre outros. Eles somam 89,7% dos lugares em que foram encontradas larvas do mosquito.

“Vamos duplicar a ação do carro fumacê no Distrito Industrial, Presidente Médici e Santa Cruz, que foram os bairros com índices mais elevados. As visitas da nossa equipe serão intensificadas nas casas onde foram encontrados focos e também faremos ações, dentro das unidades de saúde de cada bairro, para conscientizar os moradores da localidade”, disse a gerente de Vigilância Ambiental, Rossandra Oliveira.

Os bairros do Catolé, Itararé e o Complexo Habitacional Aluízio Campos apresentaram os menores índices (1,1). De acordo com o Ministério da Saúde, o risco é considerado baixo quando o percentual é menor ou igual a 0,9%, médio quando está entre 1% e 3,9% e alto risco quando for maior ou igual a 4%. Com isso, a cidade entra em alerta para que os cuidados sejam redobrados em todos os bairros.

“Se você não redobrar seus cuidados dentro de casa as ações não surtirão efeito. Seja sempre um eterno vigilante, porque as arboviroses estão aí e também ceifam vidas. A Secretaria Municipal de Saúde de Campina Grande não tem medido esforços para que seja feito um trabalho de qualidade dentro das residências, porém dentro da sua casa a responsabilidade é sua. Faça também a sua parte”, alertou Rossandra.

Aedes albopictus – outro motivo preocupante é que foi encontrado no bairro do Monte Santo o Aedes albopictus, que é uma espécie do mosquito ainda mais agressivo, predominante na transmissão da Chikungunya.  “Covid mata, mas as arboviroses também matam. Então são duas doenças causadas por vírus que nos trazem grande preocupação no momento, pois nós não queremos uma epidemia cruzada, em que as pessoas estarão adoecendo ao mesmo tempo de Dengue, Chikungunya e covid-19. Logo proteja-se e proteja sua família”, ressaltou Rossandra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.