Casos de dengue aumentam 116%, na Paraíba.

O número de casos de dengue apresentou um crescimento de 116%, na Paraíba. Os dados do Boletim Epidemiológico divulgados pela Secretaria de Estado de Saúde revelam 13.194 casos prováveis da doença neste mês. O infectologista do Sistema Hapvida em João Pessoa, Fernando Chagas, destaca que, apesar da atenção de todos estar voltada para covid-19, a população deve ficar atenta a outras doenças já existentes, como é o caso da dengue.

“Precisamos compreender que a covid-19 tem sido o foco de toda a população, por tudo que ela provocou ao longo desses quase dois anos. Mas outras doenças estão por aí e fazendo suas vítimas, como a dengue, que merece a nossa atenção e é uma doença passível de prevenção a partir de hábitos que venhamos a ter no nosso dia a dia”, destaca.

Chagas lembra que a dengue é uma doença viral, ou seja, é causada por um vírus, mas que necessita de um vetor para contaminar e este é o mosquito Aedes Aegipty, que atua transmitindo a doença de pessoa a pessoa por meio do mosquito fêmea. O infectologista explica que a dengue se diferencia da covid-19 não só em sua forma de contágio, mas também pelos sintomas apresentados.

“A dengue é uma doença febril, diferente da covid-19 que é uma doença gripal. Ela atinge o corpo todo causando dor muscular, dor de cabeça, moleza e tem uma característica interessante, que é a dor de cabeça ao redor dos olhos; podendo surgir ainda manchas pelo corpo a partir do quarto dia de doença e é autolimitada, durando em média cinco dias”, diferencia.

Fernando Chagas ressalta que a dengue merece tanto atenção quanto a covid-19, isso porque a dengue pode evoluir para forma grave – antes conhecida como febre hemorrágica da dengue – que é caracterizada pela queda brusca de plaquetas sanguíneas gerando o risco de sangramento. Nesta forma grave, há sangramento pela gengiva, pode ocorrer dor abdominal intensa, queda da pressão arterial, em alguns casos há necessidade de internação e risco de morte.

Tratamento – Apesar dos riscos apresentados pela dengue, a doença possui tratamento, mas este não é específico, conforme explica o infectologista.

“Não existe um tratamento específico para dengue, geralmente é feito da seguinte forma: está com dor de cabeça, toma remédio para dor de cabeça; está com moleza, descansa, fica em repouso. Mas um fator importante é a hidratação. Uma pessoa com dengue tem que se hidratar, e muito, muito mesmo! Isso porque uma característica da doença é causar desidratação e queda na pressão arterial. Então, é muito importante tomar água para manter-se sempre bem hidratado”, enfatiza Chagas.

Prevenção – Fernando Chagas destaca que é possível prevenir a dengue e afirma que o caminho para esta prevenção é combater a proliferação do mosquito e sugere: “Observar as situações em casa, pois 80% das criações de mosquito se dão dentro do próprio domicílio. É importante ficar atento às tampinhas de garrafa, a qualquer recipiente que possibilite o acúmulo de água parada pode ser um espaço para criadouro do mosquito. É importante uma vez por semana limpar a área de jardim e quintal para eliminar qualquer possibilidade de foco”, orienta.

Outra forma de prevenir a ação do mosquito Aedes Aegypti é fazendo o uso de repelentes ao final do dia, já que é o horário em que a fêmea mais entra em ação. “Colocar telas nas janelas e sempre fechá-las no finalzinho da tarde são algumas outras estratégias que se pode utilizar”, elenca.

 Alerta – O infectologista reforça que o mosquito Aedes Aegypti também é responsável por causar outras arboviroses, como a Zika e a Chikungunya. “Sendo assim, combater o mosquito causador da dengue é combater também essas outras doenças”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *